sexta-feira, 13 de março de 2015

Papo 100 Censura #28 - O Racismo nosso de cada dia






 Bom dia, boa tarde ou quem sabe boa noite se você apenas agora no final de mais um dia abençoado está conectado conosco aqui no papo 100 censura no seu blog o Jovem e o Mundo. Você também pode estar em um local na Ásia ou na Oceania onde o fuso horário é de 12 horas ou mais então neste caso, boa noite para você também!

     Hoje gostaria de abordar um tema com vocês que é um tanto quanto indigesto em nossa sociedade, devido a repercussão que as imagens acima geraram na mídia esta semana. O Brasil se declara um país onde o racismo não existe. Muito deste discurso tem origem em livros e obras de pensadores importantes de nosso país ao longo do século XX entre eles Sergio Buarque de Holanda com seu texto "O Homem Cordial" e o mito da Democracia racial por Gilberto Freire. Estes estudos mostram que, a colonização do Brasil aconteceu através da miscigenação. (Hã????) Calma caro leitor, você não deixa eu terminar!!!! Miscigenação é a mistura das diferentes etnias baseadas na cor da pele de cada grupo formando um povo com a mistura dessas etnias. Dentro desta perspectiva, o racismo não existiria por causa da mistura que ocorre aqui desde o século XVI.

     Uma visão muito diferente da americana por exemplo onde os escravos trazidos não se misturaram com a população branca e esta tensão racial está muito presente até os dias de hoje. Prova disso é a repercussão da eleição de Barack Obama, eleito o primeiro presidente negro da História americana. Recentemente temos assistido a uma crescente revolta na cidade de Fergunson onde um jovem negro Michael Brown foi morto por um policial branco, mesmo o jovem estando desarmado.


     Na Europa, vemos no esporte esta questão à tona com o episódio recente do jogador brasileiro sendo alvo de uma banana em campo que gerou uma grande polêmica no noticiário esportivo e mostra como esta questão ainda não está superada mesmo nos países que se dizem desenvolvidos.


    Toda esta introdução sobre a situação atual da questão lá fora é para podermos falar a respeito dela aqui dentro. Também no campo esportivo tivemos o caso do goleiro Aranha com o grupo de torcedores do Grêmio que o chamaram de macaco entre elas a jovem que foi filmada praticando o crime de racismo.




     Por fim, nesta semana, a apresentadora Angélica foi fotografada caminhando pelas ruas do Rio de Janeiro com uma empregada  negra carregando um grande guarda sol para sua patroa. A imagem imediatamente correu o mundo sendo associada ao período de escravidão de senhores brancos e escravos negros. É importante ressaltar que o racismo existe no Brasil, mesmo sendo velado e não aberto como em outros países. O preconceito com a cor da pele existe nas piadas nos colégios e rodas de amigos e principalmente nas estatísticas que mostram que mais da metade da população que é negra com uma participação bastante restrita nas oportunidades de acesso ao ensino superior e a condições igualitárias de participação no mercado de trabalho.
   Neste sentido, a cerca de uma década, foi instituído pelo governo federal políticas afirmativas de acesso ao ensino superior com cotas de vagas para afrodescendentes. O assunto é polêmico e gera discussões acaloradas até hoje sobre se se é favor ou contra estas políticas. Os dados medidos após estes 10 anos de implantação do sistema mostram que a população negra nas universidades que era de cerca de 1,5% em 1992 passou para 8,3% em 2010 segundo dados do IPEA. Aqueles que são contrários a esta política argumentam que as políticas deveriam ser universais apenas tendo como base a condição social do indivíduo. Porém décadas de políticas sociais implementadas pelos diferentes governos proporcionaram o acesso de 1,5% ao ensino superior de um grupo que corresponde hoje a cerca de 100 milhões de pessoas. Este dado nos mostra que a questão é mais complexa do que os comentários que ouvimos nas rodinhas sobre o assunto. 
        Em minha opinião, a política afirmativa é importante pois um dos argumentos vigentes é que ao invés de cotas raciais, deveríamos ter um ensino de qualidade todos teriam que ter as mesmas chances para concorrer as mesmas vagas no ensino superior. Concordo com esse argumento, mas ele é utópico, quantos séculos vamos esperar para um ensino realmente de qualidade em nosso país? Quantas gerações de jovens passarão ao largo das oportunidades que o ensino superior oferecem? As cotas deveriam ser um projeto com data de validade enquanto se trabalhasse com seriedade por uma educação digna para todos os brasileiros, um projeto para 20 ou trinta anos que nunca será levado a cabo enquanto nossos políticos pensarem em mandatos e não em projetos.

     Este tema me veio a mente na semana passada quando ouvindo o rádio, uma reportagem que mostrou que dois adolescentes negros em uma das comunidades cariocas foram mortos por policiais porque estavam brincando e correndo um atrás do outro. Um dos adolescentes filmou com seu celular tudo o que aconteceu, até sua própria morte. Os policiais foram desmascarados pois haviam plantado armas e drogas junto aos corpos inertes deste adolescentes. 

      Como igreja qual tem sido o nosso papel nesta discussão? Conseguimos receber a todos aqueles que estão procurando o Reino de Deus? Nosso papel como igreja deve ser inclusivo, não exclusivo. Quando nos voltamos para nossas necessidades, nos tornamos egoístas e pouco frutíferos. Porém quando saímos de nossas igrejas e vamos onde as pessoas estão, e levamos conosco o Reino, mortes estúpidas como a desses dois adolescentes não acontecerão mais, pois este policial não vai atirar antes de ter certeza do que está acontecendo. Como igreja não aceitaremos as desigualdades sociais e raciais, mas vamos orar e lutar por um país mais justo para todos. 

       Faça um teste rápido: em sua igreja qual é o percentual de líderes negros? Talvez esteja na hora de aumentar este número se vivermos a igualdade. A própria Bíblia já foi utilizada para justificar a escravidão onde o texto que mostra Noé amaldiçoando Cam e sua descendência.

Cam, pai de Canaã, viu a nudez do pai e foi contar aos dois irmãos que estavam do lado de fora.Mas Sem e Jafé pegaram a capa, levantaram-na sobre os ombros e, andando de costas para não verem a nudez do pai, cobriram-no.Quando Noé acordou do efeito do vinho e descobriu o que seu filho caçula lhe havia feito,disse: "Maldito seja Canaã! Escravo de escravos será para os seus irmãos". Genesis 9:22-25

    Este texto mostra como a interpretação errada das Escrituras podem justificar atrocidades ao longo da História. Devemos orar para que a nossa terra seja restaurada. Muito ódio, sofrimento e sangue foram derramados em nossas terras durante este período. Precisamos trazer o Reino de Deus para nossas cidades em todas as instâncias para que possamos usufruir da promessa divina para quando isso acontecer:

Pois o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo; Romanos 14:17

       Enquanto não provarmos de justiça, paz e alegria no Espírito Santo, o Reino ainda será apenas uma utopia ou um sonho distante. Depende de cada um dos Filhos, transformar sua realidade e seu entorno.Quando todos nós agirmos sem preconceito, nossa sociedade será mais justa e humana.
       É muito importante que você esteja antenado com os assuntos importantes de nosso país e saiba discuti-los. Seja um jovem pertinente para a sociedade, não apenas mais um crente.

Deus abençoe seu final de semana! Deixe seu comentário sobre sua opinião em nosso blog!

Abraços a todos!


Pastor Eduardo Medeiros

0 comentários:

Postar um comentário

O que você achou disso?

Tecnologia do Blogger.