sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Papo 100 Censura #27 - Juízes do Reino? - Como devemos nos comportar diante de tragédias e atrocidades?


       Bom dia para você que segue o horário de Brasília ou boa noite para você que acompanha o nosso blog aí do Japão! Que a paz de Deus que excede todo o entendimento esteja sobre sua vida nesta sexta-feira! Gostaria neste dia de conversar com você a respeito de um ato que fazemos muito, mas que não entendemos se temos ou não o direito de fazer que é o ato de JULGAR os outros por suas atitudes.
         Escolhi este tema pois acabamos de passar por um feirado onde as pessoas escolhem mudar suas rotinas e abrir mão dos limites que normalmente teriam e mudar de papel na sociedade (este é o espírito do Carnaval por essência.) Ouvi depoimentos na TV de jovens curtindo ficando com dezenas de pessoas em uma noite, vi acidentes de carro filmados onde jovens que estavam na folia foram lançados pela imprudência de outros foliões bêbados, ou apenas com pressa de chegar ao bloco ou ao baile de carnaval, assisti estarrecido à mulher e ao casal de gêmeos de dois meses mortos, até onde sabemos, a mando do esposo, vi filas intermináveis e comentários das mulheres que ficaram decepcionadas com a pouca "sacanagem" que viram nos Cinquenta Tons de Cinza e por fim, assisti ao vídeo de irmãos coptas egípcios que foram decapitados pelo grupo Estado Islâmico. Tudo isso me levou a refletir a respeito deste assunto: até que ponto podemos julgar estes comportamentos? Devemos permanecer calados ou podemos demonstrar nossa reprovação aos comportamentos contrários ao que pensamos?

Como vocês querem que os outros lhes façam, façam também vocês a eles.Lucas 6:31

           Esta é a regra de ouro dos relacionamentos. Cristo está falando a respeito de como devemos proceder no trato com outras pessoas. Note que não devemos tratar assim apenas as pessoas que pensam como nós, mas todas as pessoas, em especial aquelas que pensam diferente. Nossa vida seria diferente se esta fosse nossa maior preocupação quando nos relacionássemos com estranhos. Antes de brigar com o caixa do supermercado porque a fila está demorando, entenderíamos que assim como nós até alguns minutos estávamos trabalhando, ele também está trabalhando e com isso cumprindo ordens de alguém por isso tudo o que ele ou ela menos precisam é de alguém perturbando seu trabalho com reclamações inúteis que ele não tem como resolver. Ou não teríamos mais discussões no trânsito onde muitos morrem por coisas tolas como fechadas ou por outras coisas pequenas por exemplo. Trataríamos as pessoas de maneira muito melhor se tivéssemos isso em mente e deveríamos ter. Como você deseja ser tratado? Com respeito, carinho, amizade, preocupação? Ou com grosseria, palavras ríspidas, gritos? Uma máxima totalmente equivocada que vejo muitas pessoas postando em seus perfis nas redes sociais é o seguinte (mais ou menos):

"Mamãe passou pimenta, só fica perto quem aguenta"

           Percebe como nossa sociedade inverteu os parâmetros? Tudo o que importa é que os outros me tratem bem, enquanto eu posso tratar os outros mal. Se alguém se afastar de mim quem está perdendo é o outro. A lógica que vejo nas entrelinhas de frases como essa parece ser: o mundo gira ao redor de nossos umbigos e o mundo tem o privilégio de ter a nós como habitantes deste planeta. 

          Nosso egocentrismo rege nossos relacionamentos, só permanecemos enquanto as coisas forem favoráveis a nós, quando temos que oferecer alguma coisa, já mudamos de posicionamento. Como nossa sociedade nos ensinou a pensarmos primeiro em nós mesmos, assim é muito fácil julgar os outros pois como estamos cheios de nós mesmos, não existe espaço para empatia ou compaixão. Cristo nos ensinou como isto acontece através de uma parábola excelente que apenas Ele, poderia contar:

Como você pode dizer ao seu irmão: ‘Irmão, deixe-me tirar o cisco do seu olho’, se você mesmo não consegue ver a viga que está em seu próprio olho? Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão". Lucas 6:42

        Porque medimos o comportamento do outro a partir do nosso comportamento? O único parâmetro para o comportamento humano deveria ser a Palavra de Deus e segundo ela:

 todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus, Romanos 3:23

            Isso inclui a mim e a você, se somos alguma coisa é devido à Graça e a Misericórdia divina não por nossos méritos próprios. Assim sendo, precisamos da glória de Deus e de intimidade com Ele para que possamos fazer as escolhas certas em nosso dia a dia. Quando perdemos isso, passamos a fazer muita besteira. Como não existe uma escala de pecados maiores ou menores (Leia nossa série sobre os sete pecados capitais!!!!) então não deveríamos condenar os outros por aquilo que eles fazem. Você pode me dizer, ah Eduardo é fácil falar quando você está apenas assistindo, mas e se você fosse o pai ou a mãe de um dos cristãos decapitados no Egito?
           Com certeza é mais fácil falar sobre um assunto quando você não está relacionado diretamente a ele. Mas deveríamos. Nos chamamos de irmãos, então o nosso vínculo com qualquer outro cristão deveria ser o vínculo de um irmão, não importa se ele mora aqui ou no Egito deveríamos sentir muito a morte de irmãos de Reino. Sentiremos raiva, tristeza, sensação de incapacidade, mas isso, qualquer um sentiria. O tempo é o que separa qualquer um dos verdadeiros cristãos. Ninguém disse que seria fácil a jornada, e ainda mais quando precisamos cumprir aquilo que o Senhor nos pede:

"Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’. Mas eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos.Se vocês amarem aqueles que os amam, que recompensa receberão? Até os publicanos fazem isso!E se vocês saudarem apenas os seus irmãos, o que estarão fazendo de mais? Até os pagãos fazem isso!Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai celestial de vocês". Mateus 5:43-48


          O que nos diferencia de pessoas comuns é a capacidade de realizar atos impensáveis para a sociedade em que vivemos. Orar por um inimigo e por alguém que não gosta da gente? Na terra parece irracional, mas vermos esta mesma pessoa diante do Senhor aqui na terra e na eternidade, onde todo o sofrimento já terá passado, será muito gratificante. Não é fácil, mas se olharmos para o Senhor que nos amou antes de sermos Seus Filhos, talvez, e somente talvez nossa habilidade de amar os inimigos se torne um pouco mais fácil...

         Deixe todo o julgamento de lado, pois ele pertence a Deus, coloque-se em seu lugar como pecador que também precisa de misericórdia, e tenha empatia pelos outros, pois ao se colocar no lugar do outro, você começa a entendê-lo melhor. Ore pelos seus inimigos para que a vontade do Senhor de que ninguém se perca se cumpra e viva os melhores dias de sua existência na terra, experimentando a essência do cristianismo que é relacionamento. Relacionamento com Deus e com Seus Filhos na Terra.

Grande abraço a todos,

Pastor Eduardo Medeiros



0 comentários:

Postar um comentário

O que você achou disso?

Tecnologia do Blogger.