sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Papo 100 Censura #17 - Seven - Os sete pecados capitais

        Bom dia a você caríssimo leitor da coluna Papo 100 Censura aqui no blog! Tenho hoje uma boa notícia para compartilhar com você que gosta de nossos textos sinceros e honestos sobre vários aspectos do cristianismo: a partir de hoje, nossos textos serão semanais! Agora todas as sextas você encontra textos que falam abertamente sobre diversos aspectos de nossa vida com Deus e com nossa vida no dia a dia! Gostou da iniciativa? Comente sobre qual o assunto que você gostaria de ver por aqui que teremos o prazer inenarrável de discutir e bater um papo contigo sobre os assuntos que tiram o seu sono.
         Com esta alteração, nossa coluna #Parabolando deixa de existir!!!! Mas não fique preocupado que aqui no blog você nunca fica na mão! Para nossos leitores nerds, ou sua versão moderna, Geeks, que gostam de nossos textos, você pode acessar o ícone de nossa página Parábolas Geek onde diariamente você encontra um devocional baseado em um personagem da cultura pop mundial, confira por lá!

         Tendo dado as boas (espero!!!!) notícias, vamos iniciar uma série com o tema dos famosos, mas nem tão conhecidos Sete Pecados Capitais. Você conhece estes pecados e sabe como eles surgiram? É verdade que todos eles possuem base bíblica pois são citados em diferentes momentos durante a narrativa bíblica, porém nenhum dos autores os classificou desta forma. Então como ele surgiu?
             No início do cristianismo, em especial do catolicismo, os pecados foram divididos em duas categorias específicas: aqueles que não necessitavam de punição ou do uso do sacramento da confissão, e os capitais que resultam em condenação para os que os praticam. Utilizando-se de uma tradição, o papa Gregório Magno no século VI de nossa era, delimitou estes sete pecados como vícios do ser humano. Com o advento do humanismo do século XIV, muitos pintores registraram estes pecados em seus quadros, somando-se à obra de Dante Alighieri, intitulada a Divina Comédia, que retrata uma visão renascentista do céu, do inferno, e do Purgatório, que foi uma invenção da igreja medieval e não possui base bíblica para existir como dogma ou doutrina cristã. Abaixo, uma pintura de Bosh retratando os sete pecados capitais.


              
               Quais são este sete pecados? Segundo a classificação mais recente são os seguintes:

1 - Vaidade - Não confie, pois, na vaidade, enganando-se a si mesmo, porque a vaidade será a sua recompensa. Jó 15:31

2 - Gula - Comer mel demais não é bom; assim, a busca da própria glória não é glória. Provérbios 25:27

3 - Avareza - Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei. Hebreus 13:5

4 - Luxúria - A luxúria, e o vinho, e o mosto tiram o coração. Oséias 4:11

5 - Inveja - O sentimento sadio é vida para o corpo, mas a inveja é podridão para os ossos. Provérbios 14:30

6 - Preguiça - Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; olha para os seus caminhos, e sê sábio. Provérbios 6:6

7 - Ira - Mas agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca. Colossenses 3:8

               Lembrando que esta lista, embora sejam notoriamente pecados bíblicos, a estrutura em número de sete não é um dogma bíblico, pois muitos outros pecados poderiam incorporar esta lista de pecados com consequências graves para os que o praticam. Mas toda lista ou classificação nos ajudam a começar a discutir algo, não é mesmo? Neste sentido, nossos próximos 7 posts abordarão cada um destes pecados e quais suas consequências para nossas vidas e naqueles que estão conosco.

                Como introdução, percebam que todos estes itens da lista falam de pecados contra o próprio corpo da pessoa. Todos eles são vícios que desencadeiam uma série de outros pecados e correntes que podem nos aprisionar, se não tomarmos cuidado. 

                  Neste sentido, meu desejo é que você não perca as próximas colunas do nosso papo 100 censura, pois além de falarmos de cada um destes conceitos, falaremos também sobre o remédio e a vacina bíblica para que você permaneça imunizado destes pecados...

                    Esta semana levamos nosso pequeno Joshua para tomar as vacinas de 2 meses. O impacto de ver seu pequeno filho levando 03 agulhadas nas duas perninhas era inimaginável para mim até dois meses atrás quando ele ainda não havia nascido. Ver os olhinhos dele chorando e olhando pra mim como se dissesse, porque você deixou que fizessem isso comigo, é algo de partir o nosso coração. Durante este processo doloroso, (mais para os pais do que para ele, é verdade) senti que Deus estava me ensinando uma lição importante sobre Seu relacionamento comigo. 
                   Muitas vezes Ele permite por Sua bondade, que façamos coisas das quais vamos nos arrepender mais tarde. A dor e o sofrimento que a consequência de nossas ações causam, com certeza constrangem o coração de nosso Pai, porém as pequenas quedas nos ajudam a voltar ao caminho correto e mudar de direção. São vacinas de vida que recebemos para que não venhamos a cair nestes vícios dos quais trataremos nas próximas semanas. Portanto, na próxima vez em que você pecar, e aquele gosto amargo da derrota vier em sua garganta, lembre das vacinas de vida que você está recebendo.

                   Não esqueça que a vacina para surtir efeito ela precisa ser dada em poucas doses, pois possui em seu interior o vírus causador das doenças. Se você abusar da graça de Deus e pecar sem se preocupar, esta vacina que deveria servir para poupar você de algo muito pior, fará com que você fique doente espiritualmente. A grande discussão entre a Lei versus Graça apresenta um tratado escrito por Paulo, o qual é autoexplicativo e necessário para nossa leitura de hoje. Nascer de novo para uma vida com Cristo demanda necessariamente, uma morte para a velha vida e velhos hábitos, incluindo o pecado. 

                        
Que diremos então? Continuaremos pecando para que a graça aumente?
De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele?
Ou vocês não sabem que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados em sua morte?
Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova.
Se dessa forma fomos unidos a ele na semelhança da sua morte, certamente o seremos também na semelhança da sua ressurreição.
Pois sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado seja destruído, e não mais sejamos escravos do pecado;
pois quem morreu, foi justificado do pecado.
Ora, se morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos.
Pois sabemos que, tendo sido ressuscitado dos mortos, Cristo não pode morrer outra vez: a morte não tem mais domínio sobre ele.
Porque morrendo, ele morreu para o pecado uma vez por todas; mas vivendo, vive para Deus.
Da mesma forma, considerem-se mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus.
Portanto, não permitam que o pecado continue dominando os seus corpos mortais, fazendo que vocês obedeçam aos seus desejos.
Não ofereçam os membros dos seus corpos ao pecado, como instrumentos de injustiça; antes ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida; e ofereçam os membros dos seus corpos a ele, como instrumentos de justiça.
Pois o pecado não os dominará, porque vocês não estão debaixo da lei, mas debaixo da graça.
E então? Vamos pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De maneira nenhuma!
Não sabem que, quando vocês se oferecem a alguém para lhe obedecer como escravos, tornam-se escravos daquele a quem obedecem: escravos do pecado que leva à morte, ou da obediência que leva à justiça?
Mas, graças a Deus, porque, embora vocês tenham sido escravos do pecado, passaram a obedecer de coração à forma de ensino que lhes foi transmitida.
Vocês foram libertados do pecado e tornaram-se escravos da justiça.
Falo isso em termos humanos por causa das suas limitações humanas. Assim como vocês ofereceram os membros dos seus corpos em escravidão à impureza e à maldade que leva à maldade, ofereçam-nos agora em escravidão à justiça que leva à santidade.
Quando vocês eram escravos do pecado, estavam livres da justiça.
Que fruto colheram então das coisas das quais agora vocês se envergonham? O fim delas é a morte!
Mas agora que vocês foram libertados do pecado e se tornaram escravos de Deus, o fruto que colhem leva à santidade, e o seu fim é a vida eterna.
Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Romanos 6:1-23
 Romanos 6

Que diremos então? Continuaremos pecando para que a graça aumente?
De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele?
Ou vocês não sabem que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados em sua morte?
Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova.
Se dessa forma fomos unidos a ele na semelhança da sua morte, certamente o seremos também na semelhança da sua ressurreição.
Pois sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado seja destruído, e não mais sejamos escravos do pecado;
pois quem morreu, foi justificado do pecado.
Ora, se morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos.
Pois sabemos que, tendo sido ressuscitado dos mortos, Cristo não pode morrer outra vez: a morte não tem mais domínio sobre ele.
Porque morrendo, ele morreu para o pecado uma vez por todas; mas vivendo, vive para Deus.
Da mesma forma, considerem-se mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus.
Portanto, não permitam que o pecado continue dominando os seus corpos mortais, fazendo que vocês obedeçam aos seus desejos.
Não ofereçam os membros dos seus corpos ao pecado, como instrumentos de injustiça; antes ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida; e ofereçam os membros dos seus corpos a ele, como instrumentos de justiça.
Pois o pecado não os dominará, porque vocês não estão debaixo da lei, mas debaixo da graça.
E então? Vamos pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De maneira nenhuma!
Não sabem que, quando vocês se oferecem a alguém para lhe obedecer como escravos, tornam-se escravos daquele a quem obedecem: escravos do pecado que leva à morte, ou da obediência que leva à justiça?
Mas, graças a Deus, porque, embora vocês tenham sido escravos do pecado, passaram a obedecer de coração à forma de ensino que lhes foi transmitida.
Vocês foram libertados do pecado e tornaram-se escravos da justiça.
Falo isso em termos humanos por causa das suas limitações humanas. Assim como vocês ofereceram os membros dos seus corpos em escravidão à impureza e à maldade que leva à maldade, ofereçam-nos agora em escravidão à justiça que leva à santidade.
Quando vocês eram escravos do pecado, estavam livres da justiça.
Que fruto colheram então das coisas das quais agora vocês se envergonham? O fim delas é a morte!
Mas agora que vocês foram libertados do pecado e se tornaram escravos de Deus, o fruto que colhem leva à santidade, e o seu fim é a vida eterna.
Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Romanos 6:1-23

1 Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que seja a graça mais abundante?

2 De modo nenhum! Como viveremos ainda no pecado, nós os que para ele morremos?

3 Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte?

4 Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida.

5 Porque, se fomos unidos com ele na semelhança da sua morte, certamente, o seremos também na semelhança da sua ressurreição,

6 sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos;

7 porquanto quem morreu está justificado do pecado.

8 Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos,

9 sabedores de que, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele.

10 Pois, quanto a ter morrido, de uma vez para sempre morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus.

11 Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus.

12 Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões;

13 nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniqüidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça.

14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça.

15 E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e sim da graça? De modo nenhum!

16 Não sabeis que daquele a quem vos ofereceis como servos para obediência, desse mesmo a quem obedeceis sois servos, seja do pecado para a morte ou da obediência para a justiça?

17 Mas graças a Deus porque, outrora, escravos do pecado, contudo, viestes a obedecer de coração à forma de doutrina a que fostes entregues;

18 e, uma vez libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.

19 Falo como homem, por causa da fraqueza da vossa carne. Assim como oferecestes os vossos membros para a escravidão da impureza e da maldade para a maldade, assim oferecei, agora, os vossos membros para servirem à justiça para a santificação.

20 Porque, quando éreis escravos do pecado, estáveis isentos em relação à justiça.

21 Naquele tempo, que resultados colhestes? Somente as coisas de que, agora, vos envergonhais; porque o fim delas é morte.

22 Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna;

23 porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

                   Então por favor, não transforme as vacinas em vitaminas... Alimente seu espírito e enfraqueça sua carne... esse é o melhor remédio para fugir das consequências dos próximos 7 posts.... Aguardo vocês lá!

Acompanhe a Série

♦ Série Pecados Capitais #1 - Vaidade CLIQUE AQUI

♦ Série Pecados Capitais #2 - Ira CLIQUE AQUI

♦ Série Pecados Capitais #3 - Inveja CLIQUE AQUI


♦ Série Pecados Capitais #4 - Preguiça CLIQUE AQUI






Pastor Eduardo Medeiros


0 comentários:

Postar um comentário

O que você achou disso?

Tecnologia do Blogger.