quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Jogo fútil... Não quero mais brincar!


Não quero mais brincar desse joguinho... Esse joguinho de dizer que "não gosto", que "estou nem aí", quando na verdade quero dizer o contrário. Virar a cara para ser notada, evitar dizer, fazer, olhar, sorrir... com medo de ser mal interpretada. "O que ela(e) pensará de mim? Pensará que estou sendo fraca, sentimental..."


Cansei e estou profundamente enojada dessas relações sociais que mantenho muitas vezes. "Esquecer", ignorar,  para que os outros voltem para mim, para que se lembrem do meu valor, do quanto sou "importante.... Devolver indiferença com indiferença, machucar quando machucada. Quantas vezes não fiz isso? Quantas vezes VOCÊ não fez isso? IMATURIDADE, jogar o jogo do diabo.


Não suporto mais dizer meias palavras, palavras tortas, atravessadas, erguer um muro ao redor do meu carinho e consideração, com medo de receber em troca o desprezo e a indiferença. Construir uma personalidade inabalável, inatingível, como se eu não fosse feita de carne e osso, suscetível, necessitada de amor. Eu tenho fraquezas, sou humana. Procuro viver uma vida que agrade a Deus, mas, as vezes acerto, as vezes erro. Não sou perfeita, não somos perfeitos.
 Checkmate2.jpg

Hoje quem "ama" pisa, esnoba, trata com descaso... Só para ver se o outro percebe, para ver até onde o outro suporta... e vice-versa.

Já não quero mais continuar presa ao medo de querer estar perto, de querer dizer "você é um grande amigo(a). Você é importante para mim".

Enquanto brinco desse joguinho fútil e nojento, existem pessoas em um submundo implorando a Deus para que eu diga a elas aquele "eu te amo. Conta comigo. A sua dor também será a minha”.
Existem pessoas que não recusam aquele meu sorriso, muitas vezes forçado, que tantas vezes distribuí para pessoas que não faziam questão nenhuma de recebê-lo.


Enquanto me entristeço por aqueles que não estão mais próximos, outros choram por nunca terem tido proximidade com ninguém. Pessoas marginalizadas, necessitadas não só de alimento e bens materiais, mas sobretudo, necessitadas de amor, enquanto existem tantos mimadinhos e mimadinhas de papai e mamãe, como eu, como você que têm de sobra e até dispensam.

Jesus nunca faria esse tipo de joguinho com seus discípulos, com as mulheres que andavam junto dele, com a sua mãe, e até mesmo com as pessoas que curou e que nem sequer voltaram para agradecer pela ajuda. Ele não precisava de nada disso, Ele não tinha obrigação nenhuma de se colocar no meu lugar, de morrer por mim, mas eu ainda participo dessa imundície, e faço esse joguinho com o próprio Deus, que tanto me ama. 


Enquanto isso, ficamos dando moral para o inimigo, para as coisas que ele nos oferece, quando na verdade ele quer que a gente MORRA. Ainda fazemos o joguinho dele, esse maldito joguinho, o qual NÃO QUERO MAIS BRINCAR.

"E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará."

                                                                                                     Escrito por Daniele Cardoso. Adaptado por Fernanda Ventura
                                            


                                                   
                                                                                                                             
Deus abençoe, queridões..


Não esqueçam de COMENTAR.


No amor de Cristo,

Fernanda Ventura

Facebook ► 
Clique Aqui


2 comentários:

Gabriel Nunes disse...

Otimo Post Daniele Cardoso Espero que esse Blog Cresça Mais mais e que a graça de DEUS Entre em coraçoes duros e rebeldes como de meus Amigos Que se Dizem ATEUS Que Não Creem na Biblia.

.:: Continuem com o Projeto Pois São Ótimas Palavras ::.

caroline disse...

Era tudo qe eu precisava! Obg.

Postar um comentário

O que você achou disso?

Tecnologia do Blogger.