quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Me dá! Me dá! Me dá!

Tem certas coisas que a gente pede a Deus, que Ele não aprova ou não permite que elas aconteçam porque ainda não é a hora certa, e ele ainda AVISA! Só que às vezes a gente não consegue ouvir os avisos de Deus. Sabe por que? Porque na maior parte do tempo a gente dá ouvido pro nosso EU. Queremos ou fazemos algo, não porque através daquilo o nome de Deus será engrandecido, muito menos porque outras pessoas serão beneficiadas, mas simplesmente porque satisfará os nossos desejos, as nossas vontades, o nosso EU. É até bonito ouvir: “Aiii, o meu coração me diz que...”
Como diz em Jeremias:
Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, perverso; quem o conhecerá? (Jr 17. 10)
Não dá para acreditar no coração, e muito menos na razão! Quem quer servir a Deus não pode confiar no próprio taco (e nem no dos outros)!
Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR! Porque será como a tamargueira no deserto, e não verá quando vem o bem; antes morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável.”(v. 6)
Confiar no coração é pedir pra sofrer. Confiar na razão é pedir pra morrer.
Isso não significa que a gente não pode ter nenhuma vontade. Vontade todo mundo tem, eu também tenho. Vontade de se formar, vontade de viajar, vontade de conhecer alguém, vontade de casar, vontade de ganhar dinheiro... mil e uma vontades. O que a gente faz com essas vontades? Entrega na mão de Deus:
Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o Senhor pesa o espírito. Confia ao Senhor as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos. O Senhor fez todas as coisas para atender aos seus próprios desígnios.” (Pv 16. 2,3)
                                 
Deus não é um estraga prazeres, que quer cortar o seu barato. Entregue sua vontade a Deus, que Ele a suprirá. Caso essa também não seja a vontade Dele, pode ter certeza que Ele vai tirar essa vontade de dentro de você, pois os teus pensamentos serão estabelecidos. Como dizem, vontade dá e passa!
Deus tem um plano traçado pra nossa vida, e tudo o que acontece, ou deixa de acontecer, serve para atender a este plano. Até os tropeções que a gente sofre ao longo da vida, quando estamos sob o reinado de Deus, nos servem de aprendizado, para que tornemos ao caminho correto.

Diante de uma questão que queremos colocar diante de Deus em oração, devemos pedir que seja feita a vontade Dele, mesmo que nós tenhamos uma vontade própria no assunto. Isso significa obediência, submissão. Nós não podemos prever as consequências das coisas que queremos, ou pensamos que queremos, no dia de hoje. Deus é capaz de ver tudo o que acontece conosco de cima, como um tabuleiro de xadrez. Ele sabe tudo o que vai acontecer lá na frente cada vez que as peças se movem. Nós não temos essa capacidade.
Existe uma historinha que ilustra muito bem isso:

Uma mulher tinha um filhinho de apenas cinco anos. Esta mulher era bordadeira. Uma vez, ela estava bordando e o seu filhinho estava brincando no chão da sala ao lado. Olhando para cima, ele viu aquele bordado pelo avesso e perguntou: "Mãe, o que a senhora está fazendo?". A mãe disse: "Estou bordando, filho". Ele pensou: "Que esquisito esse bordando". Não entendeu nada, pois via pelo lado avesso.
A sua mãe continuou trabalhando naquele bordado. Passados alguns dias, o filho olha para cima, ve aquele bordado pelo avesso e pergunta: "Mãe, o que a senhora está fazendo?". Ela respondeu: "Estou bordando." Ele não entendeu nada e pensou: "Que esquisito esse bordando".
Passados mais alguns dias, o filho, olhando para cima, perguntou: "Mãe, o que a senhora está fazendo? Ela respondeu: "Estou bordando, filho". Então, o filho pensou: "Que esquisito esse bordando", pois ele via pelo lado avesso e só via um emaranhado de linhas sem definição nenhuma.
Quando aquela mãe terminou o trabalho, ela chamou o seu filho e perguntou: "Você quer ver o que a mamãe fez?". E a criança disse: "Quero, quero!". Então, a mãe pegou o seu filho no colo e mostrou, agora pelo lado certo, pelo mesmo lado que ela estava vendo e trabalhando. O filho, quando viu aquela obra, os seus olhos se encheram de alegria e ele disse: "Mãe, que lindo o seu bordando!". Ela disse: "Não é bordando, filho. Agora, que está pronto, é bordado".
E ela havia feito o desenho de uma fazenda: tinha casinha ,vaquinhas, cavalos, árvores e até um lago. Então, o filho percebeu que o que estava faltando para ele entender o desenho era ver pelo mesmo lado que a sua mãe estava vendo.

Deus te abençoe! :)

Daniele Cardoso

0 comentários:

Postar um comentário

O que você achou disso?

Tecnologia do Blogger.